Pages Menu
Categories Menu

Publicado por - 29/08/2012

Improvisação segundo Viola Spolin

que é a improvisação teatral?


Ouvimos falar de improvisação em música, ou de alguém que resolve um problema recorrendo ao que tinha mais à mão, inesperadamente, ou então como prática teatral

Portanto, será que improvisação no teatro é inventar o que fazer ou dizer, criação espontânea, automática, sem pensar? Será fazer qualquer coisa não importa o quê?

Será que improvisação é lutar com o vazio, com o não saber o que fazer e dizer, é fazer coisas malucas, é deitar para fora qualquer coisa para que depois se aproveite o que for de aproveitar?

Viola Spolin no seu livro “Improvisação para o Teatro” põe as coisas nestes termos:

– Improvisação é sempre algo de concreto apoiado em eixos muito concretos (Onde, Quem e O Quê);
– Há uma diferença entre
 fisicalizar o que se passa e produzir falatório, entre mostrar uma realidade e descrever uma realidade, entre ter um foco de atenção e não ter, entre criar algo e inventar qualquer coisa, entre obedecer ao  Onde, Quem e O Quê e planear antecipadamente o Como (se fará a improvisação);


– É algo que se joga, pratica e exercita, tão claramente como qualquer outro jogo – com as regras tão transparentes para quem faz como para quem vê – sendo na verdade uma resolução de problemas de actuação, ou quase charadas teatrais (Como mostrar
 Quem sou através d´O Que faço?, por exemplo).

Dois casos:

A)Improvisação abstracta, como a da composição de tema livre dos tempos da primária, só poderá ser resolvida se houver algo de concreto em que trabalhar. Se derem, digamos, uma frase sobre a qual improvisar, que essa frase sirva para se determinar Quem, O quê ou Onde. A partir daí é fazer como sugere Viola Spolin, escolher um problema de actuação para resolver, em directo, em comunicação com essa plateia. Sem problemas não temos soluções.

Deixe uma resposta