Pages Menu
Categories Menu

Publicado por - 4/10/2013

Ação do Álcool no Cérebro

imagens.

ÁLCOOL

 

 

SEDATIVO, NATURAL E LÍCITO.

 

O álcool é uma substância lícita, obtido a partir da  fermentação ou destilação  da glicose presente em cereais, raízes e frutas. O álcool está presente em quase todas as culturas e participa plenamente do cotidiano da humanidade. É também a substância que mais causa danos à saúde, causa dependência e possui um quadro de abstinência que pode levar ao óbito, se não tratada. Por outro lado, consumo diário em baixas doses é protetor contra doenças cardiovasculares, mas essa prática não deve ser estimulada como ‘método preventivo’. Estudos brasileiros apontam que boa parte dos estudantes do ensino fundamental e a imensa maioria dos estudantes do ensino médio experimentam bebidas alcoólicas antes do término destes ciclos. Dessa  forma, o álcool (ao lado do tabaco) devem ser as substâncias a merecerem  maior atenção por parte dos educadores e outros profissionais.

 

 

 

AÇÃO NO CÉREBRO

 

O álcool ingerido é absorvido rapidamente por qualquer mucosa do trato   gastrintestinal (da boca ao intestino). No cérebro, começa atuando como  ansiolítico, provocando um quadro de euforia e bem estar. O aumento da dose, porém, leva à depressão do sistema, causando sonolência, sedação, incoordenação motora e relaxamento muscular. Doses extremamente elevadas podem levar ao coma.  O início dos efeitos da ingestão do álcool está condicionado a diversos  fatores. A presença de alimentos no estômago diminui a velocidade de absorção. Bebidas frisantes e licorosas são absorvidas com maior rapidez. A velocidade da ingestão também interfere: quanto mais rápido se bebe, mais prontos e intensos serão os efeitos.

 

 

 

DANOS À SAÚDE

 

O álcool tem ação tóxica direta sobre diversos órgãos. As  complicações mais freqüentes são: as gastrites, úlceras [estômago] , hepatite, esteatose (fígado gorduroso), cirrose [fígado], pancreatite [pâncreas], demência, anestesia e dor e diminuição da força muscular nas pernas (neurites) [sistema nervoso] e doenças do coração, com risco de infarto, hipertensão e derrame cerebral [sistema circulatório].

 

O álcool também aumenta o risco de câncer no trato gastrintestinal, na bexiga, na próstata, garganta e outros órgãos.

 

  

 

SÍNDROME DE ABSTINÊNCIA

 

Inicia-se horas após a interrupção ou diminuição do consumo. Os tremores de extremidade e lábios são os mais comuns, associados a náuseas, vômitos, sudorese, ansiedade e irritabilidade. Casos mais graves evoluem para convulsões e estados confusionais, com desorientação temporal e espacial, falsos reconhecimentos e alucinações auditivas, visuais e táteis (delirium tremens).  A dependência, com surgimento da síndrome de abstinência, aparece alguns anos após o uso diário e intenso de álcool, acometendo indivíduos com mais de vinte anos. Desse modo, este não é um quadro muito observado nas escolas. Nestes ambientes os educadores devem estar  mais atentos para o uso nocivo.

 

 

 

INTOXICAÇÃO AGUDA PELO ÁLCOOL

 

EFEITOS FÍSICOS:

 

* aumento da diurese (urinar)

 

* redução dos reflexos

 

* marcha cambaleante

 

* náuseas e vômitos

 

* overdose: coma, devido à ação

 

do álcool nos centros cardíaco e

 

respiratório do cérebro.

 

 

 

EFEITOS PSÍQUICOS:

 

* desinibição e euforia em baixas doses, evoluindo para a sedação, conforme o aumento da dose.

 

* Afeto instável, podendo alternar  episódios de euforia,tristeza,choro, irritação e impulsividade.

 

* Prejuízos da memória, atenção e concentração.

 

 

 

Saiba mais sobre o alcoolismo
Dez de cada 100 pessoas em todo o mundo possuem a propensão a desenvolver a patologia, de acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). A doença se desenvolve basicamente devido a três características: a base genética, o meio social e o indivíduo. Embora considerada uma doença sem cura, ela pode ser evitada e controlada se não houver contato com álcool. Pelo menos 1 milhão de pessoas são dependentes de álcool, apenas no Estado de São Paulo. As estimativas internacionais apontam entre 10 e 15% da população mundial sofrem da doença causada pelo álcool.

 

Fonte: www.abead.com.br

 

Projeto em Defesa da Vida, Viva Feliz sem drogas.

 

Maria de Lourdes Batista

Psicologa online , Psicopedagoga e Especialista em Dependência Química pela USFJ

 

Deixe uma resposta