Pages Menu
Categories Menu

Publicado por - 28/05/2014

Como articular a  Rede de serviços  para usuários e familiares –

download

Uso e Abuso do Álcool e outras Drogas.

 O Projeto de Articulação dos serviços de álcool e drogas, nas áreas de Prevenção, Tratamento e Reinserção Social e familiar, propõe um  Encontro da Rede de Políticas Públicas sobre Drogas, do município para alinhar o serviço de atendimentos ao usuário de álcool e outras drogas. O atendimento do dependente químico não é tarefa fácil. Pelo contrário, implica, primeiramente, em sensibilizar todos os envolvidos com a questão, começando pelo próprio dependente, incluindo a família, a comunidade e os profissionais envolvidos.

As Escolas e outros  como o Conselho Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, é um órgão que objetiva o controle social, o monitoramento da política sobre drogas no município no sentido de promover ações para o alinhamento e o crescimento. Colaborando com as instituições responsáveis pelo desenvolvimento das ações de redução da oferta e demanda do uso e abuso de álcool e outras drogas, mediante programas e projetos nas áreas de  tratamento e reinserção social. A missão do COMAD é fomentar, implantar e gerir a Política Antidrogas da cidade, Acompanhar e avaliar as ações de prevenção, reabilitação e reinserção social, Integrar as ações governamentais, mobilizando a comunidade com projetos relativos ao uso indevido de substâncias psicoativas.

Nesse sentido, tendo o COMAD na organização, acompanhamento e buscando avaliar o processo de formação da rede e a qualidade do serviço, a demanda poderá ser minimizada. E incentivar redes integradas de prevenção ao abuso de álcool e outras drogas, buscando a responsabilidade compartilhada ente diferentes setores, envolvendo instituições públicas e privadas.

Em Minas Gerais, na política estadual sobre drogas, foi instituído o Sistema Estadual de Políticas sobre Drogas, sendo que o órgão executor da política estadual é a Secretaria Estadual de Políticas sobre Drogas. Esta tem no Conselho Estadual Antidrogas o espaço onde ocorre a formulação de políticas. Seguindo a política nacional sobre drogas, a política estadual visa a priorização da prevenção, a distinção entre usuários e traficantes e a garantia do direito assistencial. Para isso, a política não objetiva atuar exclusivamente na oferta assistencial, isto é, disponibilizar atendimento especializado

para os usuários que necessitam de tratamento. Além de garantir este direito assistencial, a política estadual também visa trabalhar aspectos como a conscientização da população em geral e divulgar campanhas de prevenção.

 Como esta política é implementada?

A sua implementação envolve o incentivo à implementação de Conselhos Municipais sobre Drogas. Para isso, através da resolução nº 19, de 2009, foi instituída a Rede Integrada de Conselhos Municipais Antidrogas ou RICOMAD. A RICOMAD foi criada para estruturar  os conselhos municipais, capacitando os conselheiros e fornecendo a dotação orçamentária necessária para o desenvolvimento dos trabalhos. Através desta rede é possível compartilhar as experiências de municipalização das ações sobre drogas, aprimorando as estratégias entre os municípios. A função essencial desta rede é fortalecer as condições para que os municípios tenham ações de prevenção, tratamento, reinserção social de usuários e dependentes de álcool e outras drogas.

A principal função desta política é, portanto, articular a implementação das políticas públicas sobre drogas nos municípios do estado de Minas Gerais. Para isso, é fundamental articular os principais setores e atores envolvidos nesta área, como as instituições públicas de saúde e de assistência social, e também os atores não governamentais que fazem parte da rede complementar aos usuários. Merece destaque a participação de diferentes setores para que a política estadual sobre drogas cumpra os seus objetivos. Isto envolve o setor de saúde, educação, assistência social, entre outros.

 Apresentação

 Esse projeto, propõe o encontro para Articular a rede de serviços nas áreas de Prevenção, Tratamento e Reinserção Social e familiar do uso, abuso e a dependência química desta cidade. Visa proporcionar um espaço de discussão, verificando, como  se encontra o avanço do uso e abuso do álcool e outras drogas, destacamos aqui o  crack.  

O uso de drogas tem se revelado importante problema de saúde pública com enorme repercussão social e econômica para a sociedade contemporânea. Não obstante os esforços do poder público e da sociedade civil na busca de alternativas, o aumento do consumo e a precocidade com que os jovens vêm experimentando variados tipos de drogas, alertam especialistas. É preciso prevenir! 

 

 Introdução

 O estudo sobre o estigma social tem como marco teórico fundamental a obra clássica de Goffman, que descreve o estigma como um sinal ou uma marca que designa o portador como “deteriorado” e, portanto, menos valorizado do que as pessoas “normais”.  O estigma social pode causar forte impacto à vida para a pessoa estigmatizada, pois envolve aspectos amplos à vida dos sujeitos, assim como a formação e a transformação da identidade social desvalorizada num dado contexto social.Indivíduos estigmatizados são tidos como “imperfeitos”,“comprometidos” e de alguma forma teriam um atributo em algumas situações mais extremas desumanizadas.Pode-se observar que a estigmatização traz um impacto importante para a vida de pessoas e grupos e que tais impactos normalmente residem não nos resultados físicos de uma marca em si, mas em suas consequências sociais e psicológicas. Sabe-se que um dos desafios atuais é melhorar o acesso para tratamento e consolidar ações preventivas. Ao se estabelecerem políticas públicas baseadas na moralização e que reforcem a estigmatização dos usuários mediante ações muito mais repressivas, em que se confundem e não se diferenciam o tráfico e o uso, pode-se levar a uma exclusão ainda maior e à impossibilidade de se promover a saúde em algum grau dos usuários.

 

 Objetivos:

 Fortalecer o processo de municipalização das ações preventivas, Tratamento e Reinserção dos usuários e dependentes de Álcool e outras Drogas;

Ampliar a rede.

Conhecer o funcionamento dos serviços.

Organizar o serviço de acolhimento, encaminhamento e reinserção social sobre drogas.

Dialogar sobre as dificuldades do serviço de atendimento ao dependente químico e família.

  

Justificativa

Tem-se concretizado um significativo aumento no uso de álcool e outras drogas. Essa situação causa enorme preocupação na sociedade e na administração municipal, tornando necessária a implementação de uma política direcionada à prevenção do uso de substâncias entorpecentes.

Com a rede de políticas sobre drogas atuante, aparecerá necessidades referentes aos desafios, de forma efetiva  projetos de prevenção e recaída. Nesse sentido o encontro vai possibilitar, capacitar os agentes municipais, atuantes na área de prevenção, tratamento e reinserção social de dependentes químicos, possibilitando, conseguintemente, a intersetorialidade das ações voltadas para o incremento das atividades de prevenção, tratamento e reinserção social.

Nesta linha, a perspectiva é de reduzir de forma consistente o número de dependentes no  município, e conseguintemente a criminalidade.

 

Resultados esperados

 Trabalho em rede, perceber a demanda da cidade,verificar dados epidemiológicos, como as escolas atuam no projeto de prevenção, e como fazer prevenção?

Levantar responsabilidades de cada serviço, ou seja o nó dessa rede qual a função de cada um. 

 

Referências

  MOTA, D. C. B. Avaliação da implementação de políticaspúblicas sobre álcool e outras drogas em nível municipal.2011. 115 p. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Programa dePós-Graduação em Psicologia: Universidade Federal de Juiz deFora, Juiz de Fora, 2011.

 

 

Deixe uma resposta